LINGUIÇAS E SALSICHAS – Curso de Embutidos 2

R$16,80

  • Descrição

    LINGUIÇAS E SALSICHAS – CURSO DE FABRICAÇÃO DE EMBUTIDOS 2 

    Super Lançamento Cursos Pégasus!

    Curso muito bem elaborado e com fartura de informações, mostrando tudo que você deve saber para fabricar Linguiças e Salsichas de excelente paladar e qualidade.

    Conheça todo o processo e a tecnologia de fabricação, condimentos e temperos, aditivos, equipamentos, higiene, etc.

    No material contém guia de solução de problemas após a fabricação, endereços (links) de fornecedores de equipamentos, insumos e embalagens, links úteis, mais de 30 vídeos (links) com ensinamentos e dicas e 35 receitas abaixo relacionadas:

     

    • Linguiça Calabresa
    • Linguiça Josefina
    • Linguiça Toscana 1
    • Linguiça Toscana 2
    • Linguiça Frescal 1
    • Linguiça Frescal 2 (para churrasco)
    • Linguiça Mista
    • Linguiça Cubana
    • Linguiça Portuguesa
    • Linguiça Caipira
    • Linguiça Mexicana
    • Linguiça Jamaicana
    • Linguiça de Frango
    • Linguiça Nelore
    • Linguiça para Feijoada
    • Linguiça Simples
    • Linguiça Defumada
    • Linguiça de Toulose
    • Linguiça Baiana
    • Linguiça Italiana
    • Linguiça Açoriana
    • Linguiça Alemã
    • Linguiça espanhola
    • Linguiça Polonesa
    • Linguiça ao Cominho
    • Linguiça do Campo
    • Linguiça com Champangne
    • Linguiça de Fígado de Porco
    • Salsicha de Frango
    • Salsicha de Carne Bovina
    • Salsicha com Soja
    • Salsichão tipo Caçador
    • Salsichão com vegetais
    • Mortadela de Carne Moída
    • Paio

     

    Fabrique linguiças e salsichas de forma artesanal ou industrial, de qualidade.

    Material técnico e informativo, contendo 67 páginas em formato PDF, ensinando tudo que você precisa saber para começar a fabricar esses embutidos.

    Forma de envio: DOWNLOAD

     

    *História das linguiças:

    A linguiça é um embutido, que em Portugal também chamam de “enchido”. Ela tem formato de salsicha ou vice-versa, e, originalmente, é recheada com carne de porco temperada com cebola, alho e páprica.

    A linguiça que se come no Brasil tem uns 8 séculos, foi criada em Portugal. E lá em Portugal ela é parecida com o chouriço (só que ele é recheado com sangue de galinha ou porco). Fora de Portugal, a linguiça é popular no Brasil, na Nova Inglaterra (Canadá) e no Havaí. No resto do mundo ela é chamada de Portuguese Sausage (na tradução do inglês, enchido ou embutido). Faz parte de menus por todo o mundo.

    A palavra linguiça vem de uma expressão do italiano “luganega”, mas também está no latin salsus (que significa salgada). Esse nome tem origem numa tribo chamada  lucaniana, que muitos séculos atrás comandou uma grande parte daquela península e que provavelmente ensinou o método de embutir aos romanos. E os romanos faziam os salames no formato das linguiças.

    E sabe que a linguiça é tão importante como denominação de alimento que está descrita até na Lei aqui no Brasil? A Legislação brasileira, pela Instrução Normativa N.º 4/2000 do Ministério da Agricultura (reprodução ao aldo), definiu quatro denominações para ela por aqui. Pela lei, no Brasil são linguiça a Calabresa, a Portuguesa, a Toscana e o Paio. O resto é embutido, tipo salsicha, embora o significado original da salsicha também remeta a linguiça.

    Dizem que a linguiça é produzida há 4 mil anos, mas os registros mais exatos, remontam a 2 mil anos, depois que os romanos começaram a espalhar  o cardápio deles pela região onde hoje está a Europa.

    Outra versão da origem desse tipo de processamento de carne data linguiça em 500 anos a.C. Os gregos teriam sido mos “inventores”.  Existe até um jogo chamado O Orya (A Linguiça) criado na Grécia cinco séculos antes de Jesus. Depois disso, a palavra linguiça passa a surgir com freqüência em escritas gregas. Também foi uma comida predileta dos romanos, ficando tão popular em ocasiões festivas que em certa ocasião foi proibida pela Igreja Católica. 

    A linguiça pode ter surgido pela necessidade de preservação do alimento. A tripa ajuda a proteger a carne sendo bem temperada, principalmente com sal, é conservada por mais tempo. Antigamente não tinha geladeira e muitos produtos eram misturados ao sal para ter um tempo maior de armazenamento. Assim foi com o bacalhau no século 8, depois com as carnes. Era um processo que foi sendo adaptado e que já vinha lá de trás, dos romanos, dos gregos, dos egípcios, com o salgamento das carnes e embutidos. Mais tarde, os europeus foram descobrindo que se defumassem a linguiça ela duraria mais, praticamente todo o inverno, e aí vieram as variações, todas as que a gente conhece.

    Esta é uma indústria que não pára de crescer. Um dos maiores produtores de linguiça do mundo é o Brasil. São vinte séculos de linguiça como item da culinária ocidental.

    A linguiça é feita de tripas, como já dissemos, que são recheadas com carne picada ou moída de diferentes tipos e com temperos diversos. Elas podem ser defumadas ou não. Como definição oficial no Brasil, as linguiças devem ser calabresa, portuguesa, toscana e paio. Mas existem outras variedades. Tem a linguiça de frango, por exemplo, linguiça de cordeiro. É possível embutir todo tipo de proteína animal nas tripas.

    Hoje, no mundo, existem mais de 400 tipos de linguiças catalogados em bares e restaurantes.

     

  • Avaliações (0)
    Adicionar Comentário